Translate

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Meditem!

"Concedei-nos Senhor serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos mudar, coragem para modificar aquelas que podemos, e sabedoria para distinguirmos umas das outras"

 Reinhold Niebuhr


segunda-feira, 25 de junho de 2012

Dia Mundial do Yoga

Fui ontem a Pax Julia, (Beja) comemorar o Dia Mundial do Yoga.
O dia não começou muito bem, uma das pessoa que foi comigo, não sei "porque carga d'água", decidiu implicar com tudo o que eu comentava, sendo muito agressiva verbalmente, o que para mim é muito estranho, pois nada sabemos uma da outra, daí pensar que esse comportamento se devia a uma noite mal dormida, visto que a pessoa tinha ido na noite anterior para "os copos" com amigos, e realmente o álcool e a falta de sono levam as pessoas a não raciocinar. Om Shantí.
Depois estava um calor "dos infernos", o que para mim ainda me transtornou mais. A organização do evento, na minha opinião se me permitem, poderia ter decorrido melhor se os oradores, e foram alguns, tivessem controlado o "o tempo de antena" não se tornava tão cansativo, foram praticamente cinco horas a ouvi-los falar de "peace and love". Peço desculpa pelo comentário, nunca é perda de tempo falar nestes conceitos, mas fui vencida pelo cansaço, mas mais que falar é urgente accioná-los
Valeram os momentos musicais, os"mantras " lindíssimos, tendo participado num deles Janita Salomé, cantando ainda uns belos temas alentejanos. Enquanto o cantor estava em palco as individualidades, que assistiam ao espetáculo, levantaram-se todas e afastaram-se para o lado do palco para serem fotografados, o que achei de muito mau gosto, foi falta de respeito para com o artista.
 A demonstração do ioga avançado também é sempre agradável de ver, como também as lindas danças indianas.



sábado, 23 de junho de 2012

Manifestação primaveril

 Faz hoje uma semana que fui à "santa terrinha", e não resisti a fotografar, ainda que seja uma péssima fotógrafa, estas maravilhas que me deixam maravilhada.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Momento da má língua

"Prontos"!
Já viram que não resisto a um momento de terapia de "corte e costura".
Podem dizer que é dizer mal dos outros, mas para mim é fazer comentários filosóficos que funcionam como escape, como deixar sair um pouco de vapor, para evitar da caldeira explodir.
Passando ao assunto, há na família um membro, do qual gosto até muito, que consegue por vezes deixar-me "stressada", é tão elétrica, sempre em movimento, como se nunca tivesse tempo para nada, corre para cá, corre para lá, sempre numa roda viva, tem milhentas coisas para fazer num só dia que deixa qualquer um, que passe mais de vinte e quatro horas com ela, com a estranha sensação que é muito preguiçoso.
É muito elogiada por ser muito ativa, eficiente, muito trabalhadora, "deita a mão a tudo", que eu pessoalmente quase me sinto inútil.
Para outro membro da família ela é o máximo, é uma super-mulher, não lhe poupa os elogios, o que me deixa certas vezes magoada.
Lá estou eu a descer um "degrau" na elevação espiritual que pretendo alcançar, mas é verdade, esse familiar nunca me elogia, aliás tem mais o habito de me humilhar, na tentativa de destruir-me a auto-estima, numa palavra, a fazer-me sentir ninguém.
Continuando a dizer mal, o membro da família que descrevo primeiro até é bastante ativa, não posso negar, mas "pelo amor da santa", essa atividade traduz-se em: muito a mexer e pouco a fazer, pega em tudo e não acaba nada, o espaço onde se move é quase caótico, e onde eu me sinto por vezes deslocada, mesmo que queira dar "uma mãozinha" fico desorientada, sem "norte".
"Prontos" já desabafei, já tive o meu momento da má língua, e sem ofender ninguém, apenas disse a verdade, já me sinto mais leve. Amanhã já volto a subir o "degrau" outra vez. 
  

domingo, 10 de junho de 2012

Pedido de ajuda (S.O.S)

Tenho procurado manuais que me possam ensinar a viver, como não encontro preciso urgentemente de fazer um curso para aprender a viver. Se alguém souber onde me posso dirigir fico muito grata.
Este apelo deve-se ao facto de uma pessoa, muito próxima, enquanto conversávamos sobre um assunto, e eu ter formulado a minha opinião, que do meu ponto de vista era a mais lógica, responder agressivamente que eu nada sabia da vida. Ah! Ah! Ah!.....
Esta foi muito boa, hilariante mesmo, pois a pessoa em questão, que ironia, foi a que me deu as mais duras lições de vida.
Afinal talvez tenha razão, não aprendi mesmo nada com as lições que me deu? Ou será porque sou tolerante perante as manifestações de elevada estupidez que fazem parte naturalmente do seu comportamento?
Tolerante; talvez porque aprendi a não tentar fazer entender, à pessoa básica que é, os valores que orientam a minha vida, é demasiado difícil, senão impossível. Talvez, como diz uma amiga, seja passiva, não reajo com a impulsividade que ela julga necessária a determinados desafios e confrontos, mas isso é o que ela diz, e não aquilo que sou, sou pacifica, que é completamente oposto a passiva.
 Mas não sou tolerante nem pacifica, também reajo, e por vezes também agressivamente, perante situações insuportáveis e humilhantes que façam sofrer qualquer ser vivo. Aí também sei "arreganhar os dentes" e morder se necessário. Não me provoquem!