Translate

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Só comigo

Vi só aqui para contar uma "coisinha". Daquelas "coisinhas" que nos acontecem e deixam-nos perplexos e a pensar: Só comigo!
Para terminar o ano de 2017 e iniciar-se o de 2018 fui convidada para  fazer o  "réveillon" com uns amigos dos meus amigos, numa vila alentejana. Fomos no Sábado ao fim do dia para casa desses amigos e quando lá entrei senti de imediato que havia grande tensão entre os donos da casa, o casal tentou educadamente fazer-nos sentir à vontade mas trocavam entre si insinuações e acusações o que nos deixava, nós e os outros, intimidados. Os meus amigos tentavam "deitar água na fervura" e lá se acalmaram, como o ambiente já não era dos melhores fomos deitar-nos, a casa só tem um quarto, o do casal, o outro ficou num anexo no jardim, e eu e o meu companheiro ficamos numa caravana, que falando com toda a franqueza foi o melhor da festa. Sempre tive curiosidade ou melhor sempre quis ter o prazer de viajar numa caravana, e pelo menos tive o prazer de passar duas noites nesses espaço, que era bastante confortável, eu que até nem gosto de espaços limitados dormi "com os anjos" e dormi ainda melhor devido ao facto de não ter ouvido as discussões do casal. No Domingo de manhã as coisas estavam mais amenas, deu para passear pela vila e beber um café, durante o almoço começou a novamente a "guerrilha". Quando chegou a noite do "réveillon", tínhamos mesa marcada num restaurante, o comportamento do casal foi, no mínimo, um autêntico teatro, ora se insultavam, ora iam dançar um com o outro, eu só tinha vontade de regressar a casa, pensava que não era justo ter de assistir a este conflito num local a abarrotar de gente, e onde fui para me divertir. A noite perdeu a graça. No dia de Ano novo, ao almoço, deu-se o desenlace o casal perdeu o civismo e voltaram a insultar-se, foi uma autêntica "lavagem de roupa suja", dei por mim a contar os minutos para me raspar dali para fora, o almoço tornou-se indigesto. O casal nesse mesmo dia dá por terminada a sua relação, depois de tanta discórdia tiveram um momento de lucidez e concluíram que seria impossível continuarem juntos. Mas não poderiam ter um pouco de bom senso e feito umas tréguas? Não poderiam esforçar-se para debater (ou baterem um no outro) a situação depois dos convidados saírem? Anos depois de passar o "réveillon" em casa, com o companheiro a adormecer antes da meia-noite e ficar sozinha a ver o fogo-de-artifício na varanda, pensei  que seria uma noite especial, e é que foi mesmo, tão especial que não quero que se repita. De bom só foi dormir numa caravana sem sair da garagem, mas dei largas à imaginação e viajei pelo mundo.

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Dia Mundial da Paz

Vamos, a partir de hoje, comprometermo-nos a estar em paz, primeiro connosco, depois com os outros, porque sem estarmos em paz com nós próprios é de todo impensável estar com os outros.
É, talvez, impossível que ao longo do ano não hajam alguns conflitos, é da natureza humana, sempre foi assim, mas se formos promotores da paz, conseguiremos sem dúvida encontrar resolução para eles, se quisermos temos todos os meios para assegurar a paz, começando pelo respeito, a compaixão, a tolerância pelas diferenças, e por vezes o distanciamento dos que são incapazes de fazer destes valores um lema de vida. Conflitos neste planeta sempre os irá haver, desde que a humanidade existe que guerras, ódios, toda a sorte de atrocidades fazem parte da sua "bagagem" na passagem por ele. Mas a paz não é proclamar frases para os outros ouvirem, muitas delas ocas, sem repercussão em redor, a paz é algo em nós, está em nós, faz parte de nós, aí sim é que a paz tem morada, depois poderemos ou não levá-la aos outros, alguns aceitarão outros não, mas isso já não seremos nós a avaliar ou a julgar, daí "não julguem para não serem julgados". A verdadeira paz sentimo-la ainda que o mundo ao nosso redor se desmorone e as mentes perversas teimem em o destruir. Que a PAZ esteja convosco onde quer que se encontrem e com quem estejam . FELIZ NOVO ANO.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

" O Natal"

"O Natal
é o espírito de dar sem
o pensamento de obter.
É a felicidade porque vemos
alegria nas pessoas.
É esquecermo-nos de nós próprios
e encontrar tempo para os outros.
É descartar as coisas sem sentido
e sublimar os verdadeiros valores."

Thomas Monson



domingo, 10 de dezembro de 2017

Helena Sacadura Cabral retrata nove séculos de História de Portugal, dando voz à vida de nove mulheres magníficas. Destaca a importância do poder feminino na nossa História, da fundação da nacionalidade ao fim da Monarquia.

sábado, 25 de novembro de 2017

"Abençoados os corações que se vergam porque nunca serão partidos"

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Reflexão

O tempo que, entretanto, passou sem aqui vir, passou devido ao facto de andar a ponderar se iria continuar no blogue. Cheguei a pensar em o encerrar pois, por vezes, nada tinha que merecesse mantê-lo mas decidi que iria continuar e vou aproveitar para expressar deste modo uma situação deveras preocupante: a seca extrema que afecta Portugal. moro no litoral e aqui na zona quase não nos apercebemos dessa calamidade, ainda não faltou água potável nas torneiras, as zonas verdes, jardim e zonas relvadas continuam a ser regadas, até quando? 
Ontem fui até à localidade de onde sou oriunda e deparei-me com esta triste realidade, numa zona tão fértil em água estava tudo seco, os açudes que existem, e são muitos, estavam completamente secos. A zona que faço referência é o concelho de Coruche no distrito de Santarém, tenho familiares aí a viver, sendo donos de propriedades agrícolas que precisam de água obviamente, ainda vão utilizando água dos furos, poços, mas se continuar sem chover também eles secarão, depois será utilizada a água da rede o que implica gastos avultados e utilização limitada. Fiquei profundamente triste e preocupada por ver toda a vegetação a morrer, o solo, onde a água surgia numa bonita cor azul, apresenta-se arenoso, seco e gretado.
Para que a água chegue ao subsolo e depois surja à superfície será preciso que chova durante três meses seguidos, não está previsto que tal aconteça nos próximos dias, apenas chuva ligeira para o norte, que também precisa, a seca estende-se a todo o país, mas não é suficiente para resolver o problema.
Estas alterações climáticas são assustadoras e mais ainda quando provocadas pela mão do Homem, que tenta agora inverter os danos causados à Terra Mãe, mas são demasiados atentados que me fazem pensar se não será tarde de mais. Quando uns tentam corrigir os erros, outros ainda se comprazem em os tornar mais aniquiladores.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Continuando a escapadinha

Ando muito viajada. Mais umas fotos tiradas aquando da escapadinha.