Translate

terça-feira, 28 de maio de 2013

 
Gostei de ler esta excelente biografia de uma mulher invulgar, tenaz, empreendedora e corajosa.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Beleza natural

Nas caminhadas que faço pela encosta do castelo e pelo Cabo Espichel vou fotografando algumas das suas belezas. Aqui ficam algumas indígenas florais, ou talvez não tão indígenas, mas estão lá, e fazem destes espaços um maravilhoso jardim natural.







                                                            

domingo, 19 de maio de 2013

Recordar


 "Cartoons" colocados num expositor de rua, em Sesimbra. Fazem parte de uma exposição organizada pela Liga dos Combatentes, com a finalidade de recordar e honrar as tropas portuguesas que prestaram serviço militar em África, durante a guerra colonial. E estas serão, com toda a certeza, as melhores recordações que estes homens têm desta guerra.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Análise comparativa

Portugal durante a Ditadura Salazarista tinha três grandes motivos para que os portugueses fossem felizes, tinha os três Fs. Explico: Fátima, Fado e Futebol. O povo tinha de ter fé por isso recorria a Fátima, pois a fé é que nos salva, tinha desporto, o Futebol engrandecia-nos com a atuação dos nossos famosos clubes, e num deles o famoso Eusébio, tínhamos no Fado a nossa projeção internacional a nível cultural, com a nossa brilhante Amália.
Hoje, passados trinta e nove anos depois da queda da Ditadura, a Fé continua a salvar-nos, as peregrinações nos caminhos de Fátima são cada vez mais, o povo ainda acredita em milagres, e atualmente bem precisamos deles. O Fado continua a ser o nossos embaixador internacional, é de lamentar que outras vertentes musicais não tenham essa projeção.
Quanto ao Futebol, perante esta crise económica que afecta este país, é caso para dizer que a crise é relativa, afecta uns mas outros não. Hoje o Benfica joga em Amesterdão, com o Chelsea, e os portugueses é um ver se te avias, a "voarem" para Amesterdão, os voos são contínuos, e muitos dos adeptos vão sem bilhetes, e sem garantias de os obter, ainda assim vão, ora a crise a estes não lhes toca à porta.
Ontem, num telejornal, dois portugueses, chegados a Amesterdão, muito felizes, diziam, a vida corre-lhe muito bem com certeza, que não tinham bilhetes e que iam tentar comprá-los mesmo que tivessem de pagar por eles centenas de euros. 
Isto faz-me pensar que afinal o comportamento atual não é muito diferente de há trinta e nove anos atrás, nessa época também havia muitos adeptos que não deixavam de ir ao Futebol, para o bilhete havia sempre "escudos", mesmo que em casa não houvesse comida para colocar na mesa. Estes dois poderão ser dos tais, dos a quem pode faltar comida mas para o Futebol há sempre dinheiro. 
Pensava eu que a crise era geral, que ingénua, não é nada, a crise é para alguns! O pior é que as decisões tomadas pelo governo para combater a crise também são relativas, afectam uns outros não. Para nos entretermos, para irmos esquecendo, vamos tendo Fátima, Fado e Futebol, mas, ironia, para os três Fs são necessários euros, e eles não esticam não! 
    

quinta-feira, 9 de maio de 2013

terça-feira, 7 de maio de 2013

Escolhas!

Hoje deixei-me dominar pela ansiedade, nada de grave, aconteceu pelo facto de ter embarcado numa máquina do tempo, regressei ao passado nas memórias, que sem me esforçar resolveram invadir-me a mente.
De forma a suprimir a ansiedade pensei ir marcar uma sessão de qualquer coisa, num centro de estética, massagens com pedras quentes, banho Vichy, Reflexologia, etc. Como os euros estão muito curtos ficou apenas na ideia, e pensei noutra forma de terapia, beber uns copos de um bom vinho afim de me alegrar, mas pensei que não seria a melhor opção, visto que a terapia iria "cair-me" muito mal, alegre ficava, disso tenho a certeza, e muito brincalhona, mas os efeitos secundários é que são lixados, insuportáveis mesmo. Além do mais sou estupidamente responsável, comedida, e não gosto de chamar a atenção sobre mim, estava fora de questão fazer "vinhoterapia".
Dei voltas à cabeça e lembrei-me de outra terapia, a chocoterapia,  seria tão bom ser envolvida, massajada pelo chocolate, negro, untuoso, hum! Até faz "crescer água na boca" só de pensar, mas também isso envolvia marcação e pagamento, e quanto ao pagamento, como já disse, o orçamento não dá para esta volúpia.
Por fim decidi, faria mesmo a "chocoterapia", num espaço a isso dedicado, um espaço comercial, onde os "instrumentos" para a terapia estão ali expostos de modo a não permitir qualquer espécie de raciocínio,  investi num excelente chocolate negro, daqueles de "trepar" e deixar-nos cheias de prazer. A ansiedade acalmou, fiquei literalmente num estado prazenteiro. Afinal foi a melhor opção, a medicina alega que o chocolate é um produto com muitas qualidades, entre elas por elevar os níveis de  "serotonina" no cérebro, que por sua vez ajudam a acalmar e a relaxar. É  por isso que daqui em diante vou recorrer a esta forma de "chocoterapia", acalma, é doce, sabe tão bem, e melhor ainda é baratíssima, não custa nada largar uns euros em troca de todos os benefícios que oferece. Tem apenas um senão, quando se faz uso muitas vezes desta terapia, os quilos no peso corporal  começam a aumentar. Vou esforçar-me acima de tudo para que a ansiedade não leve a melhor, é que não quero engordar!




 Imagens da Internet