Translate

domingo, 28 de março de 2010

"AMAR SÓ POR AMAR"


Lições de vida: nº.1
 
"A vida é bela"! Ainda me surpreendo quando sinto e faço esta afirmação, talvez se deva à capacidade de me iludir, que me faz ver "la vie en rose", e também a capacidade de continuar a acreditar nos outros, leva-me a ultrapassar as dores que me infringem, é claro que preciso do tempo necessário para "lamber as feridas", deixá-las cicatrizar, "vestir o luto" e depois voltar a vestir as cores do arco-íris.


Sabes! Ainda te recordas quando me retalhaste o coração? Talvez já não te recordes? A tua capacidade de memorizar foi sempre limitada, (ainda comes muito queijo?).

Com requintes de sadismo, usando como que uma fina e afiada lâmina de punhal, foste recortando-o em alto-relevo, tirando pedacinho a pedacinho, deixando chagas difíceis de sarar.


Um dia, já não recordo quando, quiseste voltar a colocá-los, as peças não se ajustavam, não conseguiste completar o "puzzle", porque as peças que faltavam deitaste-as fora. Ficou um coração incompleto, era tão pouco o que pedia, amar e ser amado.


Ainda assim, apesar da dor que a lição me provocou, continuo a acreditar na dádiva suprema, no sentimento valioso que é o AMOR, o quanto é gratificante amar, ainda que sem esperar ser amada.


Como diz Florbela Espanca: "Amar só por amar: Aqui...além... Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...".

Ensinaste-me a amar incondicionalmente. Obrigada.

































quinta-feira, 25 de março de 2010

LONDRES








Fui a Londres! está bem! Já sei que é vulgaríssimo, banal, corriqueiro, ir a Londres, qualquer um lá pode ir, mas para mim não é vulgar, banal, nem corriqueiro. Foi a primeira vez que lá fui, e ADOREI, é uma cidade onde gostaria de viver, se tivesse essa possibilidade mudava-me para lá de imediato. Talvez passado algum tempo me desse a nostalgia do meu Portugal, mas enquanto isso não acontecesse iria apreciar ao máximo e em pormenor todo o potencial cultural que a cidade oferece, e não só a cidade como os arredores, e porque não todo o país, porquê ser tão limitada?

Passei quatro magníficos dias numa cidade cujo ritmo me deixou eufórica, isto porque eu sou uma provinciana, ficando, como tal, deslumbrada, sim é verdade, a cidade oferece uma vasta gama de interesses que nos quatro dias tivemos dificuldade de escolher, embora levássemos tudo programado, ainda assim foi difícil fazer a escolha, e muito ficou por ver. Ficamos alojados em casa de uns amigos, que nos proporcionaram uma excelente estadia, é claro que nos condicionaram um pouco, não era fácil recusarmos os convites para as suas visitas guiadas, perdendo como isso a oportunidades de visitar alguns dos "ex.libris".
Também estive em  Greenwich, no observatório,  coloquei os pés no meridiano, passeei  pelo maravilhoso parque,  e vi os esquilos.
 Festejei o dia do meu aniversário, 19 de Março, em Windsor, num "Pub", daqueles bem tradicionais, com um delicioso almoço. Será uma recordação inesquécivel, no bom sentido claro, pois não tenho muitas boas memórias relativas a esta data.

Se a cozinha inglesa não é famosa, talvez seja só má língua, há um vasto leque de escolha, ninguém fica desapontado, há abuso de gordura, mas em compensão os temperos são bem doseados.

E pronto! Foi muito pouco tempo mas valeu a pena cada segundo. Um dia vou voltar lá e irei desforrar-me, ver tudo aquilo que ficou para ver. Por isso assino por baixo:

Flor de lótus













terça-feira, 9 de março de 2010

CITAÇÕES INSÓLITAS

Na revista "Sábado" n.º 305 as estranhas informações de quem liga para o INEM.


Tenho uma válvula ligada da cabeça ao estômago.

Fui operado a uma veia erótica (queria dizer carótida).

A próstata estava tão alta que lhe atingiu os pulmões e não conseguia respirar (o cancro pode dar falta de ar).

Está a ter um AVC em directo.

Nasceu-me uma bolinha no meio das pernas (era uma hérnia).

Já fez cristais e não está melhor (queria dizer clisteres).

Está com uma infecção ordinária (queria dizer urinária).

Qual andar? , pergunta a operadora. Resposta: Moro num T2.

Está consciente? Resposta: Não sei, ela é estrangeira e eu não falo estrangeiro.

Ela respira? Responde o utente: Não sei, ela está a beber água.










terça-feira, 2 de março de 2010

MITOLOGIA - PEIXES











 
Para todos os PEIXES que nadam nos "oceanos", "mares", "rios", "lagos" e "aquários" deste planeta, onde todos os dias, sem piedade, são "pescados", "estripados", "cozidos", "assados", "fritos" e "comidos", perdão "f......".

 
Numa manhã de sol, Neptuno, o senhor dos mares percorria as ilhas Naxos no seu coche, quando avistou uma cena que fez parar os cavalos. As ninfas Nereides, filhas de Neru dançavam na areia da praia.

A atenção do deus voltou-se para a mais formosa de todas, Anfitrite, que se destacava entre as irmãs, pela sua magnifica beleza e sorriso. Neptuno aproximou-se e tentou tomar Anfitrite, mas a ninfa cheia de medo escapou-se graciosamente e salta para o mar.
O deus ainda nada atrás da ninfa, mas não a consegue encontrar, porque esta se refugiou no mar.

Neptuno não desiste e envia um delfim para a encontrar. O ágil animal rapidamente encontra a Nereida, e convence-a não só a segui-lo, como também a aceitar a proposta de casamento do deus, e a tornar-se rainha dos mares. A ninfa acaba por concordar em acompanhar o animal.

Montada num touro com cauda de peixe, e guiada pelo delfim, Anfitrite parte ao encontro de Neptuno, acompanhada por um enorme cortejo formado por todas as divindades marinhas.
Em agradecimento e em honra da celebração, o delfim que levou a ninfa ao deus foi elevado aos céus, onde acabou por formar a constelação de Peixes.