Translate

sábado, 30 de abril de 2011

Eureka! (Arquimedes)










Descobri um blog delicioso, corresponde à necessidade, quase "doentia" que tenho de cozinhar.


Quando digo cozinhar faço referência à cozinha vegetariana, da qual me tornei seguidora incondicional.

Há imenso tempo que procurava um para seguir mais assiduamente, e não é que encontrei esta "cozinha das cores", com todas as receitas para me fazerem cair em tentação. Muito sou eu tentada! Mas só assim saberei qual o grau de resistência, pondo-me à prova.


É claro que ando sempre a "navegar por blogs do género, como não quero ser seguidora de uma "lista telefónica" fico por enquanto por este, depois outros serão acrescentados, quando tiver oportunidade de os testar.






































































































































Tive de comentar!

Continuo estupidamente romântica. "Sou assim, nasci assim, vou ser sempre assim! "Gabriela, cravo e canela", de Gorge Amado.

Isto para dizer que perdi umas horas para ver o enlace real, o do William com a Kate.
Fez-me pensar que qualquer mulher se sentirá princesa quando anda numa carruagem. Tem apenas uma contradição, é que o "sapo" que eventualmente possa sentar-se ao seu lado por muito que o beije nunca se transformará em príncipe
.
São mesmo histórias para não adormecer, por vezes até provocam pesadelos e insónias.
Acabei de saber pelos meios de comunicação que o casal adiou a lua-de-mel devido a outros compromissos. Oxalá ela se perpetue no tempo

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Como resistir?













Estou a ficar obcecada por bolos, são desejos quase obscenos. Penso e visualizo continuamente bolos. Qualquer um vem a calhar, seja de chocolate ou não!

Isto terá alguma relação com o meu estado de espírito?

A minha sorte é que tenho uma força interior poderosa que me impede de sair em busca destas tentações, e igualmente de as fazer. Sou uma sortuda não sou?

Com estas imagens na mente não consigo escrever nada de nada, nem acerca de nada, nem me lembro de nada.


Se não me precaver, este vício poderá ser como todos os outros, como diz Confúcio: "Os vícios chegam como viajantes, visitam-nos como hóspedes e ficam como amos."

sábado, 16 de abril de 2011

Um incrível exemplo de vida

Estou a ficar, ligeiramente, deprimida, para anular estes sintomas vou rir com este "incrível exemplo de vida".


Quase no final da prática dominical, o sacerdote perguntou aos fiéis na igreja:
- Quantos de vocês, caríssimos fiéis, conseguiram perdoar aos vossos inimigos?
Todos levantaram a mão, à excepção de uma frágil senhora, aparentando ser bastante idosa.
- Caríssima senhora D. Maria, a senhora não está disposta a perdoar aos seus inimigos?
- Eu não tenho inimigos - respondeu ela docemente.
- Mas isso é muito raro nos dias que correm. Quantos anos é que a senhora tem? - perguntou o sacerdote.
- 98 anos!
O público presente na igreja levantou-se e aplaudiu a senhora entusiasticamente.
Como é que se vive tantos anos sem inimigos? _ voltou a perguntar o sacerdote.
A doce e angelical senhora dirigiu-se ao altar e disse, em tom solene, olhando o público emocionado:
- Já morreram todos!


De uma circular recebida por e-mail, Portugal
Neste blog, algures, escrevi que na vida fiz uma opção de escolha: - escolhi ser feliz! Diariamente esforço-me para manter-me firme nessa afirmação, mas "caramba", não sou de ferro, e hoje não resisti, e cedi à desilusão. Já me rondava desde quarta-feira, quis visitar-me, e permiti que abrisse uma brechazinha de nada no meu coração, (é assim, uma pequena brecha na muralha, e o inimigo entra por ela). Para me recompensar fui "afogar" as mágoas. Não! Não recorri ao álcool! Não gosto! Estou a mentir, abro uma excepção aos vinhos (tinto), de grande qualidade, ( Reserva; Selecção; DOC; VQPRD) com os quais gosto de comemorar e viver bons momentos, em boa companhia. Por vezes, raramente, também vão umas loiras fresquinhas, (imperiais). Mas hoje foi a doçaria, essa sedutora, que me recompensou, saí de casa com esse propósito, e uma deliciosa fatia de bolo de chocolate contribuiu para me "adoçar" o espírito, apesar do meu lado "negro" estar sempre a tentar-me, dizendo: - come mais uma! come mais uma!... quantas mais comeres melhor te irás sentir! Apelei a todos os "santos", ao bom-senso, à vaidade, e lá consegui resistir, com muito esforço e a lamentar não transgredir, fiquei mesmo por uma fatia. Outras desilusões virão a seu tempo, e outras fatias de bolo de chocolate lhes seguirão. Esta foto foi tirada da Net. Logicamente, não ia com a finalidade de fotografar o que comi. Mas garanto que o bolo era em tudo muito semelhante a este da foto. Digam lá se não era para comer mais umas?

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Haja paciência!
Estes dois "traquinas" não param de atazanar-me.

Um diz: Faz! O outro diz: Não faças! Um diz: Vai! O outro diz: Não vás! Fala! Não fales! Etc..

Para não incorrer em erro a opção foi tapar os ouvidos, sei lá qual dos dois dá o melhor conselho? Se sigo o conselho de um em detrimento do outro, com a sorte que tenho, é provável que "dê com os burros na água", ou "sai-me o tiro pela culatra".

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Eu digo precisamente o mesmo!



"Ainda me admiro com a influência que o destino exerce nas nossas vidas, levando-nos, inconscientemente, a escolher caminhos totalmente alheios aos nossos planos e desejos".




in "Quénia, Um Leve Sopro Do Destino"
Maria Helena Maia

sábado, 2 de abril de 2011

Uma viagem longa, mui longg............a

Atentai senhores nesta história de pasmar que vos quero contar:
Neste dia do Senhor, do ano da graça de 1976, iniciou-se uma longa viagem, se não por "mares nunca de antes navegados" continuam, pelo menos, a serem desconhecidos, só quem enceta esta viagem poderá testemunhar o quanto perigosa é. Perdoai, a cronista estava tentada a deixar a pena deslizar ao sabor da imaginação.

Irei escrever nesta crónica os esponsais de uma mui nobre "donzela" com um mui "nobre" cavaleiro.

Tudo começou nas vésperas, o "nobre" cavaleiro torceu um pé, não! não, vos apoquentais, não foi de uma queda do seu garboso corcel, quando em exímias artes de cavalaria se exibia perante a mui nobre "donzela", torceu o pé simplesmente enquanto caminhava. A nobre "donzela" muito solicita e caridosa tentou consolar o "sofredor", este estando "sofrendo lastimosamente", de modo mui brusco expulsou-a dos seu aposentos, prosaicamente mandou-a ir para o "olho da rua", e não bastando, usando ainda de maior crueldade, a ameaçou, que no dia da celebração dos esponsais não iria ser presente, isto é não iria comparecer no local assinalado para o acto. A mui nobre "donzela", triste, só, e desamparada, regressou aos seus domínios, levando o coração dilacerado de tanta dor, nada comentando com a sua corte. No dia assinalado, auxiliada pelas damas da corte ataviou-se, e saiu em cortejo para o terreiro, perdoai, para a Conservatória do Registo Civil, da comarca do reino. Na alma levava a dúvida atroz: iria ele estar presente? 

Também ela fez uma jura, caso o "nobre" cavaleiro não fosse presente, ela iria usar de vingança, iria vingar a sua honra com sangue, ou seja, falando popularmente, iria "limpar-lhe o sebo" onde o encontrasse, nem que para isso tivesse de percorrer o "mundo".

Afinal o "nobre" cavaleiro fez-se presente, e os esponsais realizaram-se, ainda que sob maus auspícios.


E a viagem continua a decorrer, ainda por "mares" desconhecidos, enfrentando "adamastores", tempestades, tormentas, perigos vários, motins e tumultos a bordo, ainda assim vão encontrando algumas "ilhas dos amores", que lhes permitem saborear "doces néctares", e cativar alguns "deuses", e por vezes até chegar à "Índia".

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Dia das mentiras

Hoje, dia 1 de Abril, dizem que é o "dia das mentiras". Em França é o dia dos bobos, e em países de língua inglesa é o dia dos tolos. A mentira sempre fez parte dos "pecados" da humanidade, ironicamente até foi "institucionalizada" com a atribuição de um dia. Será para comemorar? Neste dia podemos dizer todas as mentiras que nos vierem à cabeça? Infelizmente a mentira não se confina apenas a este dia, propagou-se pelos restantes dias do ano, com muita gente a "comemorá-la, por vezes, muitas vezes, provocando danos irreversíveis naquele que é afectado pela mentira. Podemos brincar com este conceito, mas que de modo algum possa causar prejuízos, podemos "pregar mentiras" brincalhonas, divertidas, e totalmente isentas de consequências. Para mais esclarecimentos pesquise na Wikipédia.